O que é um NFT (Token Não Fungível)? Definição, Funcionamento, Usos e Exemplos

NFT é um registro de blockchain conectado a um ativo com propriedade clara por meio da tecnologia de contrato inteligente.

NFT, abreviação de token não fungível, é definido como um registro blockchain intrinsecamente conectado a uma palavra real ou ativo digital com propriedade clara por meio de tecnologia de contrato inteligente, que permite que NFT seja comprado, vendido, negociado ou transferido. Este artigo usa exemplos para explicar como um token não fungível (NFT) funciona e seus sete usos principais.

Post NFT

O que é um NFT?

Os tokens não fungíveis são uma tecnologia relativamente nova que se tornou popular devido ao surgimento de blockchain e criptomoeda. Blockchain permite que os dados sejam mantidos transparentemente e imutável em uma cadeia interconectada de registros chamados blocos. Esses dados podem ser aplicados a vários casos de uso, desde dados do consumidor em programas de marketing e fidelidade até sistemas monetários inteiros. Como resultado, os registros de blockchain se transformam em uma classe de ativos mantida por contratos inteligentes que são impossíveis de violar ou fraudar.

Essas classes de ativos alimentadas por blockchain podem ser de dois tipos, um ativo intercambiável (ou fungível) ou um ativo não fungível. Fungibilidade refere-se a uma propriedade que permite a troca de ativos por outro sem alteração de valor ou permite que um ativo substitua outro. A moeda fiduciária regular tem a qualidade da fungibilidade, o que significa que um dólar tem o mesmo valor que outro dólar. Os ativos não intercambiáveis ​​ou não fungíveis têm um valor intrínseco próprio e não podem substituir outro tão facilmente.

Por exemplo, imóveis não têm qualidade de fungibilidade, nem obras de arte. NFT ou token não fungível, se enquadra nessa categoria de ativos, ao contrário da criptomoeda, que também é uma classe de ativos baseada em blockchain. No entanto, a criptomoeda é caracterizada por sua fungibilidade, tornando-a um pouco parecida com as moedas fiduciárias que usamos diariamente.

Os NFTs, por sua própria natureza, assemelham-se a ativos físicos com uma linha clara de propriedade e proveniência. No entanto, como é construído sobre uma base de infraestrutura de TI digital, os NFTs podem acumular uma enorme variedade de ativos inimagináveis no mundo real. Por exemplo, pode-se criar um token não fungível a partir do avatar do jogo, um arquivo de formato de intercâmbio gráfico (GIF) ou até mesmo um meme.

O primeiro NFT conhecido, seguindo sua definição atual, foi criado pelo artista americano Kevin McCoy e pelo empresário americano Anil Dash. A dupla fez uma animação octogonal, a primeira obra de arte a ter propriedade baseada em contrato inteligente. Curiosamente, esta animação, intitulada Quantum, foi criada antes de o termo NFT ser oficialmente cunhado e, em 2021, Quantum foi leiloado pela Sotheby’s. Este exemplo de um NFT inicial ilustra como tokens não fungíveis podem ser atribuídos com um valor enorme, competindo com classes de ativos tradicionais como imóveis, metais preciosos, arte física, etc.

De fato, tokens não fungíveis ou NFTs se tornam ainda mais críticos na era do metaverso, ou seja, mundos digitais ou virtuais onde pessoas e objetos existem como avatares e podem interagir com seus arredores. Em ambientes digitais tão ricos, os NFTs abrem possibilidades para propriedade e economia real, lançando as bases para um sistema de governança. A inteligência artificial (IA) é outra tecnologia central para entender os NFTs, pois os geradores de NFT alimentados por IA, como StarryAI, Fotor, DeepAI, etc., se destaquem.

Como funciona um NFT?

Para entender como os NFTs funcionam, é preciso primeiro observar como funcionam os blockchains. Em sua essência, um blockchain é um banco de dados distribuído que contém uma lista crescente de registros ou blocos organizados sequencialmente. Curiosamente, como os blocos são imutáveis, eles não se enquadram no âmbito dos sistemas tradicionais de gerenciamento de banco de dados (SGBD). Cada bloco contém um hash criptográfico que descreve o conteúdo do bloco anterior na cadeia, o carimbo de data/hora e os dados transacionais.

Existem vários sistemas blockchain em todo o mundo, e o Ethereum está entre os mais populares. Com base em blockchains como o Ethereum, pode-se criar um ativo digital definido por um contrato inteligente (seguindo as regras do sistema blockchain, conhecido como token). Tokens não fungíveis, ou NFTs, são um tipo de token baseado no padrão ERC-721 da Ethereum, que menciona essencialmente as especificações técnicas que alimentam um NFT. Aqui está um breve resumo do padrão ERC-721 para ajudá-lo a entender como um NFT funciona:

  • Ethereum Request for Comments 721, ou ERC-721, é um padrão introduzido em 2018 que implementa uma interface de programação de aplicativos (API) para tokens baseados em contratos inteligentes. Isso permite que os tokens sejam transferidos de uma conta para outra, uma funcionalidade fundamental dos NFTs.
  • A API também suporta várias outras funções, como transações por contas de terceiros, saldos de contas correntes, cálculo da oferta total de um token, etc.
  • Usando o padrão, qualquer pessoa pode usar uma interface binária de aplicativo (ABI) para se conectar a um token. Isso torna os NFTs tão amplamente acessíveis, mesmo entre usuários com pouco ou nenhum conhecimento técnico.
  • O padrão inclui métodos e eventos que regem a funcionalidade da API NFT. Essa coleção de métodos e eventos permite que tokens não fungíveis ou NFTs se comportem como ativos reais.

Ao criar um NFT, cria-se essencialmente um ativo exclusivo com um conjunto distinguível de metadados e identificadores e configura um contrato inteligente no blockchain, seguindo o padrão ERC-721. O valor de um NFT depende de quão único ele é e não necessariamente da quantidade de esforço colocado para criá-lo. Em alguns casos, pode-se converter ativos reais em tokens não fungíveis, e esses ativos são normalmente de natureza visual. No entanto, itens como colecionáveis ​​de videogame, música, texto ou até terreno virtual podem funcionar como um NFT.

Uma vez que um artista NFT tenha selecionado um ativo digital, ele pode entrar em qualquer mercado NFT, sendo o OpenSea o maior. Esses marketplaces possuem todos os mecanismos necessários para “cunhar” um NFT do ativo digital. Minting refere-se ao consumo de poder de computação para formar um contrato inteligente e validar transações na blockchain Ethereum. Como a tecnologia é extremamente intensiva em energia, o processo de cunhagem envolve uma certa parcela das taxas de gás que o criador da NFT deve pagar.

Quando a cunhagem terminar, o artista NFT pode listar o ativo no mercado e vendê-lo. Isso cria um caminho para gerar receitas de arte e permite que os investidores diversifiquem seus portfólios.

Outro componente crítico da funcionalidade de um NFT é uma carteira de criptomoedas.

Uma carteira criptográfica é fundamental para qualquer sistema blockchain, permitindo que os usuários realizem transações com segurança e transparência. Quando um NFT é criado, o artista deve pagar a taxa de gás usando sua carteira de criptomoedas, e as receitas das vendas de NFT também são creditadas na carteira.

Embora seja essencialmente assim que um NFT funciona, diferentes mercados podem ter regras diferentes para suas operações. Por exemplo, OpenSea e Rarible são mercados NFT de autoatendimento onde qualquer pessoa pode criar e listar um token não fungível. No entanto, o Nifty Gateway é um mercado com curadoria onde os artistas devem enviar um formulário de inscrição antes de criar um NFT a partir de seu conteúdo digital.

Agora que consideramos o lado do desenvolvimento, vejamos alguns conceitos-chave da funcionalidade NFT a partir de sua usabilidade:

1. Tokens não fungíveis são indestrutíveis e interoperáveis

Um NFT é armazenado e gerenciado por meio de um sistema blockchain como o Ethereum. Isso significa que nunca pode ser destruído acidentalmente, ao contrário de uma obra de arte física. O proprietário do NFT teria que realizar intencionalmente o processo de destruição por meio de um processo conhecido como queima. Quando uma NFT é gravada, ela é enviada para um endereço de conta verificado que não pode ser gasto e nenhuma outra transação será adicionada ao sistema NFT. Destruction as a Service (DaaS) aplica os princípios de Software as a Service (SaaS) para simplificar a gravação de NFT. Além disso, devido ao padrão ERC-721, os NFTs não são interoperáveis. Em outras palavras, as informações dentro de um NFT não podem ser vinculadas a um sistema externo.

2. NFTs derivam seu valor da escassez

Como propriedades ou ativos reais, os tokens não fungíveis são valiosos porque são poucos. O criador da NFT pode decidir o quão raro eles querem fazer um item digital. Por exemplo, eles poderiam cunhar 20 cópias de um videogame colecionável, onde cada um tem uma identidade única, mas há vários deles disponíveis. Isso é semelhante a produtos reais, como roupas, com várias cópias, mas são únicos e identificáveis ​​por meio de algo como um código de barras.

Ou pode haver apenas uma cópia de um token não fungível. Este é geralmente o caso de obras de arte ou colecionáveis ​​digitais extremamente raros. Um equivalente no mundo real desse tipo de NFT pode ser um vestido feito sob medida especialmente projetado. No entanto, seja 1 ou 20, o número de NFTs é sempre limitado, e essa escassez é necessária para sua funcionalidade.

3. NFTs suportam sistemas de royalties

Um recurso importante dos tokens não fungíveis é que você pode programar o código em seus contratos inteligentes para oferecer suporte a sistemas de royalties. Por padrão, a NFT contrata verificação de propriedade de energia e transferibilidade de um proprietário para outro. Você pode configurar o contrato além desses conceitos básicos para acomodar uma variedade de funcionalidades, como royalties.

Nesse sistema, o contrato inteligente especifica que uma certa quantia de criptomoeda será paga sempre que a NFT for comprada ou alugada. Por exemplo, um ambiente de videogame pode ter um avatar específico como NFT. O token pode ser programado de tal forma que sempre que um jogador compra o avatar, o artista original ganha uma quantia como taxa de royalties. Além do ERC-721, o padrão ERC-1155 na blockchain Ethereum permite esse recurso.

Usos de NFTs

Os tokens não fungíveis (NFTs) testemunharam um forte aumento na demanda em meados de 2021, e até foram nomeados a Palavra do Ano daquele ano pelo Collins Dictionary. Em agosto de 2022, o volume total de negociação dessa classe de ativos ultrapassou US$ 5 bilhões globalmente, por análise de mercado da CoinGecko. Essa demanda se deve à grande versatilidade dos NFTs, que permite que a tecnologia seja aplicada em diferentes casos de uso em todos os setores. Alguns dos usos críticos de NFTs incluem:

1. Compatível com o modelo de jogo Play-to-Earn (P2E)

Os colecionáveis ​​digitais são provavelmente o uso mais popular de tokens não fungíveis, pois permitem ativos não duplicáveis ​​no jogo. À medida que atravessam diferentes níveis, os jogadores podem ganhar ativos com um valor intrínseco e depois negociá-los ou vendê-los mais tarde. Itens exclusivos do jogo podem aumentar de valor ao longo do tempo, ajudando os jogadores a lucrar. Mesmo quando os jogadores saem do jogo, eles continuam a possuir o NFT e podem gerar valor a partir deles, no futuro.

2. Permitindo a verdadeira propriedade da arte digital

Tradicionalmente, a arte digital e física permanecem distintas, pois a primeira era fácil de copiar, compartilhar e fraudar. Por exemplo, a pirataria de arte digital ou arquivos em formatos de mídia digital é quase impossível de controlar. Como resultado, a arte digital nunca poderia ter o mesmo valor que uma aquarela básica de um pintor em ascensão.

Os NFTs viram esse modelo de cabeça para baixo. Artistas de todo o mundo podem transformar seus designs gráficos, arte digital ou fotografias em um NFT que pode ser comprado e vendido. O blockchain carrega registros de todas as transações sem o risco de adulteração, e os artistas podem até ganhar royalties quando uma imagem ou arquivo de mídia é colocado em uso comercial.

3. Verificando associações por meio de “bilhetes digitais”

Os NFTs também podem ser usados ​​como ingressos digitais para provar a participação em uma comunidade online, um videogame pago ou qualquer outro fórum digital por trás de um paywall. Na web, os usuários não desfrutam da mesma facilidade de verificação de identidade que no mundo real. À medida que a demanda por espaços online como plataformas metaverso continua a crescer, provar que a adesão é um problema comercial significativo. Pode-se exibir um NFT como prova de adesão ou até mesmo transformar seus avatares em um NFT, demonstrando a autenticidade de sua identidade online.

4. Remoção de fraudes na indústria da música

À medida que a mídia digital domina a indústria da música, os casos de fraude e pirataria continuam a crescer. Além disso, pode ser um desafio para os músicos emergentes obter lucro em seus primeiros anos, já que gravadoras, vendedores de música, distribuidores de ingressos, etc., reivindicam a maioria das receitas. Em contraste, os tokens não fungíveis permitem que os artistas se conectem diretamente com seu público vendendo arquivos de música digital. Os NFTs podem ser programados para restringir o compartilhamento de receita a um ponto e nada mais, garantindo que os direitos do artista não sejam violados. Empresas como a Autograph.io até permitem a tokenização de autógrafos para apoiar ainda mais os artistas.

5. Compra de imóveis digitais no metaverso

Os imóveis digitais, conhecidos como parcelas, são outro caso de uso importante para NFTs. Plataformas populares de metaversos, como Decentraland ou The Sandbox, possuem um amplo espaço imobiliário em alta demanda. Indivíduos e empresas podem configurar escritórios virtuais no metaverso (aplicativos descentralizados ou dApps) para desbloquear novos fluxos de receita. Os investidores podem comprar e vender essas parcelas com lucro ou alugá-las para um desenvolvedor do metaverso. O valor dessas parcelas pode chegar a milhões de dólares, tornando crucial estabelecer a propriedade. Os NFTs são uma maneira segura e inviolável de gerenciar direitos imobiliários digitais.

6. Complementando a propriedade de ativos físicos

Às vezes, os compradores de ativos reais podem optar por comprar um NFT com ele simplesmente para provar o histórico de propriedade e a autenticidade do ativo. Por exemplo, CarForCoin.com permite que os usuários comprem NFTs; cada token está associado a um carro real. Isso garante ao comprador que está recebendo um produto de alta qualidade com prova digital de propriedade. Esse caso de uso é essencialmente ativado por contratos inteligentes serem mais seguros do que os físicos, e as NFTs podem facilitar a negociação se o comprador quiser vender o ativo mais tarde.

7. Armazenar registros médicos e dados clínicos

NFTs são aplicáveis ​​em qualquer caso de uso que envolva um registro de dados e transações. Isso o torna especialmente relevante para o setor de saúde, onde a veracidade e autenticidade dos registros são primordiais. Ao converter o registro de saúde de uma pessoa em um NFT, pode-se garantir que os dados não sejam perdidos ou adulterados. Somente indivíduos autorizados podem acessar os dados sem comprometer a segurança. Um desses usos que está lentamente ganhando popularidade é a ideia de certidões de nascimento NFT.

Exemplos de NFT

Agora que exploramos o significado dos NFTs e como eles funcionam, aqui estão alguns exemplos interessantes de tokens não fungíveis disponíveis atualmente/em breve:

  • Starbucks Odyssey, um programa de fidelidade NFT: em 2022, a cadeia global de café planeja introduzir um programa de fidelidade baseado na tecnologia NFT. A Odyssey combinará a oferta Starbucks Rewards da empresa com os itens colecionáveis ​​da NFT.
  • Everydays: the First 5000 Days: Uma discussão dos principais exemplos de NFT está incompleta sem esta obra de arte digital de Mike Winkelmann. Ele trabalhou em um projeto diferente, do início ao fim, por 5.000 dias e depois uniu tudo em uma colagem NFT que foi vendida por mais de US$ 69 milhões.
  • Sessão do corredor da morte Vol. 2: Este é um álbum de música que foi lançado inteiramente como um token não fungível. O álbum de Snoop Dog também inclui vários colecionáveis ​​embutidos que os compradores de música podem recuperar por uma recompensa mais tarde.
  • Candao para gerenciamento de identidade e acesso: NFTs podem fornecer uma alternativa ao controle de acesso tradicional baseado em função, conforme ilustrado pelo exemplo do Candao. Ele fornece aos usuários uma identidade digital exclusiva como um NFT, e todas as atividades do usuário serão registradas nele.

Conclusão:

Tokens não fungíveis (NFT) são o próximo passo na evolução do gerenciamento de direitos digitais. Ele permite que os usuários possuam um ativo digital e atribuam valor a itens intangíveis, como imóveis virtuais ou arte digital. À medida que o metaverso se torna o novo destino para os usuários da Internet, os NFTs têm o potencial de gerar e apoiar uma economia inteira, completa com operações autossustentáveis, funções de trabalho inovadoras e conjuntos de habilidades digitais de nicho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.