Serviços bancários no metaverso: oportunidades em evolução para explorar agora

O sistema bancário no metaverso está evoluindo. Como você pode alavancar seu poder?

Graças à sua combinação de realidade virtual, blockchain e tecnologia Web 3.0, o metaverso está criando sua própria economia e ecossistema de pagamentos, um que requer a experiência e o conhecimento de bancos tradicionais e inovadores fintech para crescer e prosperar. Analisaremos mais de perto as oportunidades que podem ser exploradas à medida que o setor bancário no metaverso evolui.

Para muitas pessoas, avatares, jogos e eventos virtuais definem o metaverso agora, mas as instituições financeiras veem o metaverso como um mercado de US$ 50 bilhões em rápido crescimento.

Existem grandes oportunidades para o setor financeiro alavancar serviços financeiros existentes, gerenciamento de risco e recursos de conhecimento do cliente no metaverso para gerenciar transações de blockchain, bem como transações envolvendo moedas emitidas pelo governo, tokens e muito mais. Bancos e fintechs de todos os portes têm opções para se estabelecerem no metaverso agora e evoluir com ele. Vejamos algumas das oportunidades mais atraentes agora.

Estabeleça um novo canal para o envolvimento do cliente

A opção mais simples para os bancos que desejam entrar no metaverso pode ser usá-lo como outro canal de interação com os clientes, semelhante aos seus canais móveis, sociais e de internet. Criar uma presença no metaverso é um primeiro passo crítico para muitas marcas, para poderem experimentar novas formas de engajamento.

Isso pode assumir a forma de uma parceria com um cliente ou fornecedor que já tenha uma presença metaversal ou uma extensão da presença da mídia social do banco em experiências metaversais. Por exemplo, alguns bancos estão comprando imóveis virtuais em ambientes de jogos onde os usuários podem participar de experiências com a marca do banco nos jogos.

Forneça serviços sempre ativos

Ao contrário dos bancos físicos, os bancos no metaverso podem operar 24 horas por dia, 7 dias por semana. Como as interações são virtuais, não há necessidade de fechar o prédio, interromper o processamento das transações do dia ou mandar os funcionários para casa. Em vez disso, as agências bancárias metaversais podem ser automatizadas para funcionar continuamente, de modo que os clientes possam receber atendimento sempre que quiserem. Por exemplo, um cliente pode visitar uma agência do metaverso de seu banco para providenciar uma troca de moeda digital, fazer um pagamento de empréstimo ou algum outro tipo de transação que, de outra forma, exigiria uma visita a um local físico.

O banco virtual imersivo e sempre ativo tem o potencial de ir além das opções tradicionais de aplicativo e banco por telefone para serviços noturnos, fornecendo uma experiência mais rápida e personalizada que não requer espera na fila, toque em aplicativos ou navegar em um menu de telefone impessoal, o que pode melhorar a experiência do cliente. Ao oferecer uma alternativa ao banco presencial, os serviços virtuais sempre ativos também podem auxiliar os bancos a aumentar sua eficiência operacional.

Construir novos trilhos de pagamento

Já existem muitas oportunidades de transações no metaverso, desde a compra de imóveis virtuais até microtransações e criptomoedas no jogo. À medida que mais empresas encontram novas maneiras de operar no metaverso, essas oportunidades transacionais se expandem e evoluem. E todos eles precisarão de trilhos para mover essa moeda do pagador para o beneficiário, seja a moeda em questão dólares, euros, bitcoin, tokens do jogo ou algo totalmente novo.

Por exemplo, digamos que uma marca gostaria que você assistisse ao seu último anúncio no metaverso. Seu tempo e atenção são valiosos, então você deve ser recompensado por isso, talvez em tokens ou pontos de fidelidade que você pode gastar com a marca. Criar a infraestrutura para dar suporte a esses e outros novos tipos de transações metaversais representa uma oportunidade para as instituições financeiras, especialmente aquelas com experiência e tecnologia existentes em trilhos de pagamento. Os principais bancos já estão construindo uma rede blockchain ponto a ponto de alta qualidade para atender aos requisitos de transações metaversais. É provável que startups e bancos menores sigam o exemplo com seus próprios projetos ferroviários de pagamento.

Gerenciar riscos para novas classes de ativos

A experiência central que os bancos têm em relação ao gerenciamento de risco e conformidade para ativos e transações tradicionais pode evoluir para gerenciamento de risco e serviço de conformidade para ativos digitais e transações virtuais. Por exemplo, avatares metaversais e usuários com várias identidades digitais podem complicar a capacidade de atender aos requisitos Conheça seu cliente para serviços bancários e investimentos. E como os eventos recentes com criptomoeda mostraram, os ativos metaversais podem ser mais voláteis do que os tradicionais, destacando a necessidade de experiência em gerenciamento de risco neste espaço.

Um caminho para aplicar a experiência de gerenciamento de risco real ao metaverso é mapear as estruturas existentes de gerenciamento e conformidade em transações e ativos metaversais e, em seguida, definir cuidadosamente os riscos para essas transações e ativos. As oportunidades de gerenciamento de risco também podem incluir a supervisão da transferência de ativos no metaverso e do metaverso para o mundo real. Por exemplo, a venda de um NFT por um museu da realidade pode exigir gerenciamento de risco especializado para garantir a autenticidade do ativo e a segurança da venda. Ou, em outro caso, a compra de um grande ativo digital pode exigir subscrição de empréstimo que englobe o perfil financeiro real e virtual do mutuário.

Planejando uma mudança para o metaverso

Qualquer instituição financeira que considere uma expansão para o metaverso deve começar decidindo se deseja que sua incursão inicial seja orientada para o relacionamento ou para a transação. Por exemplo, o metaverso pode permitir que os bancos se aproximem de seus clientes por meio da expansão de canais e agências virtuais. Essa presença metaversal focada no relacionamento pode se estender posteriormente a novas oportunidades de transação, como relatórios de impostos sobre bancos metaversais e contas de investimento.

Para instituições maiores, um foco inicial em transações pode ajudar a criar uma vantagem pioneira em áreas como meios de pagamento ou finanças descentralizadas e automatizadas. A abordagem transacional também é uma boa estratégia inicial para bancos que estão prontos para alavancar seu modelo de gestão de risco no metaverso.

Após escolher uma estratégia inicial, é hora de aprender o máximo possível sobre os recursos necessários para implementá-la. Como há tantas startups, principalmente fintechs, desenvolvendo serviços para o metaverso, há muitas empresas inovadoras com as quais os bancos podem aprender e talvez fazer parceria. As parcerias também podem acelerar o tempo de comercialização dos bancos para iniciativas metaversais.

Como acontece com qualquer novo ambiente de tecnologia, o metaverso certamente mudará com o tempo. No entanto, isso não é necessariamente um motivo para atrasar a entrada. Marcar presença mais cedo ou mais tarde pode auxiliar os bancos a se conectarem com os consumidores da Geração Z, que agora têm US$ 360 bilhões em renda disponível, melhoram a experiência do cliente e criam mais valor para os acionistas ao longo do tempo, à medida que o metaverso ganha usuários e casos de uso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.