Indústria 4.0 em Ação: Equilibrando Risco, Fluxo de Dados e Operações

A interoperabilidade, autenticação e governança de dados devem ocupar o centro do palco na transformação digital.

Para garantir uma transformação digital suave, as organizações devem priorizar a interoperabilidade de dados, a autenticação de dados e a governança de dados como considerações operacionais importantes durante a transição para a Indústria 4.0.

A Indústria 4.0 acelerou a transformação digital de empresas industriais, incentivando a introdução da internet industrial das coisas (IIoT), inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina (ML) e nuvem e computação cognitiva em ecossistemas industriais. Ao interconectar plataformas de nuvem, data centers, dispositivos IoT/IIoT, sensores, análises e IA para automatizar processos, as empresas estão oferecendo benefícios tangíveis, como qualidade e fluxo consistentes, produtividade aprimorada, tempo de inatividade reduzido, processos simplificados e custos otimizados.

No entanto, o processo de transformação pode apresentar desafios significativos que colocam os implementadores em uma situação desconfortável, especialmente se sistemas industriais de missão crítica estiverem envolvidos. Esses desafios devem ser enfrentados se as empresas quiserem aproveitar plenamente os benefícios dessas tecnologias e se posicionar melhor em termos de adaptabilidade, agilidade e flexibilidade no mercado global altamente competitivo de hoje.

Os dados são o combustível que alimenta a economia digitalizada, portanto, ter visibilidade e acesso abrangentes e contínuos a dados de valor agregado nos dados do ecossistema operacional pode ser um verdadeiro diferencial. Nenhuma empresa quer ter que reinventar a roda da tecnologia, portanto, para cumprir as metas de implementação e suporte de novas tecnologias, as empresas devem descobrir como inseri-las perfeitamente em sistemas de TI fragmentados mais antigos, dispositivos distribuídos e conjuntos de dados isolados.

Os ecossistemas difusos são ineficientes, podem carecer de segurança consistente e a falta de interoperabilidade torna a integração do sistema cara e demorada. Integrar essas peças díspares em um sistema de trabalho pode não apenas levar tempo e dinheiro, mas também pode ser uma tarefa arriscada, pois as escolhas erradas podem introduzir brechas de segurança e retardar o processo de obtenção de resultados acionáveis ​​de aprendizado de máquina (ML) e algoritmos de IA.

Em um cenário de padrões imaturos, as empresas também devem lidar com uma variedade estonteante de fornecedores relacionados à IoT e à nuvem, enfrentando o risco de instalações excessivamente complicadas e bloqueio do fornecedor não apenas da tecnologia, mas de seus dados.

Três pilares fundamentais para uma transformação digital bem-sucedida

Existem várias tecnologias, algumas novas e outras maduras, que podem ser adotadas para simplificar esses sistemas, reduzir os riscos de segurança e otimizar o fluxo de dados cruciais para sistemas de operações de dados. Aqui estão três áreas importantes que as organizações precisam implantar com sucesso para dar suporte a uma transformação digital suave:

1. Interoperabilidade de dados por meio da virtualização

As infraestruturas e os ecossistemas empresariais modernos são complexos e geralmente compostos por muitas partes interessadas internas e externas, por exemplo, pesquisa e desenvolvimento, manufatura, vendas, empresas terceirizadas de logística, varejistas e clientes. Isso significa que os integradores precisam lidar com quantidades significativas de ativos de dados encontrados em diferentes formatos e protocolos em uma infinidade de plataformas, camadas de dados, data warehouses ou em vários serviços de nuvem. Esses dados fragmentados tornam desafiadora a execução da análise de dados que pode gerar insights valiosos e acionáveis.

Para enfrentar esses desafios e permitir que os dados sejam unificados e usados ​​juntos, independentemente do formato e localização, a interoperabilidade de dados é necessária para permitir que as empresas maximizem o valor de seus dados e superem os desafios significativos impostos pelos ativos de dados distribuídos. Alcançar a interoperabilidade de dados pode ser alcançado pela implantação de software de virtualização de dados para criar uma ‘camada virtual’ de simplificação sobre arquiteturas de dados frequentemente complexas.

A virtualização de dados permite a criação de uma única exibição unificada em fontes de dados dispersas sem a necessidade de mover ou integrar dados fisicamente. Isso ajuda a evitar riscos de segurança associados à movimentação de dados e permite simplificar as operações de dados ao mesmo tempo. Os usuários podem receber rapidamente respostas para consultas de dados e gerar insights mais rápidos. A virtualização de dados permite que as empresas mantenham os ativos de dados onde desejam e apenas os movam se acharem necessário.

2. A importância da autenticação

Autenticação de dados, transferência de dados segura e confiável e proteção de dados são elementos-chave da transformação digital. Os sistemas de autenticação que uma empresa pode controlar e implantar, independentemente do fornecedor de tecnologia, são essenciais para dispositivos e software IoT. Os sistemas gerenciados de infraestrutura de chave pública (PKI), sendo o conjunto de tecnologias e processos que compõem uma estrutura de criptografia para proteger e autenticar comunicações digitais, estão no mercado há algumas décadas, com um bom histórico de autenticação de ambos dispositivos e softwares. Essencialmente, o PKI usa chaves públicas criptográficas conectadas a um certificado digital, que autentica dispositivos ou usuários que enviam comunicação digital.

As empresas podem aproveitar os certificados PKI para criar clientes, desenvolvidos internamente ou por terceiros, em um dispositivo que faz várias coisas. Primeiro, quando o dispositivo envia um dado, o cliente autentica que o dispositivo é conhecido e bom e se uma atualização é necessária. Se necessário, também pode criptografar esses dados. Importante, permite que o usuário assine esses dados digitalmente. Adicionar o cliente ao dispositivo protege os dados, independentemente de quais redes ou dispositivos os dados trafegam em seu caminho para a nuvem, e também pode ajudar a proteger os comandos enviados ao dispositivo. Usando um processo chamado protocolo estação a estação, quando os dados do dispositivo atingem um servidor prescrito, a assinatura digital é comparada para garantir que tudo seja verificado e que nenhum dado tenha sido comprometido ou alterado em trânsito.

3. Entendendo a governança de dados

Manter a conformidade regulatória é um requisito fundamental à medida que as organizações avançam no processo de transformação digital da Indústria 4.0. A governança de dados, que implementa regras necessárias para o armazenamento e processamento adequado das informações, é essencial para garantir que as empresas cumpram seus requisitos regulatórios e obrigações legais.

O desenvolvimento de um programa de governança de dados permite que as organizações implementem políticas de acesso a dados para garantir a proteção e reduzir os riscos operacionais associados ao armazenamento de dados confidenciais. Ele também permite o controle sobre quem pode acessar e usar os dados. A implantação de políticas e processos de governança de dados para garantir que os dados sejam gerenciados eficazmente reduz o risco de não conformidade com os padrões regulatórios e do setor.

Sistemas modernos de governança de dados, para controle de acesso humano e de máquina, bem como gerenciamento de direitos de dados, devem ser adotados por todas as empresas. Certificar-se de que esses sistemas também incluam recursos robustos de auditoria ajudará muito com questões regulatórias e comerciais, caso surjam. A governança de dados promove maior integração, transparência e visibilidade de dados para auxiliar as organizações a melhorar suas atividades de conformidade.

Eficiente, seguro, perfeito

À medida que as organizações adotam a Indústria 4.0, o que não é um empreendimento pequeno, existem tecnologias emergentes, como padrões de autenticação de dispositivos e padrões criptográficos mais antigos que, juntos, podem proteger e autenticar o fluxo de dados de dispositivos IoT para os sistemas de nuvem e de volta para os dispositivos de forma eficiente, segura e sem problemas.

Ao adotar essas tecnologias em suas plataformas de operações de dados, os dados podem ser autenticados e administrados por meio de um único sistema de “painel de vidro” que pode ser implantado independentemente dos fornecedores de dispositivos e que possui o hardware adequado para oferecer suporte à segurança necessária, seja atualizado ou não.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 1 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.