O que é rede como serviço (NaaS)? Definição, componentes e melhores práticas

O que é rede como serviço (NaaS)? Definição, componentes e melhores práticas

  • A rede como serviço (NaaS) é definida como um software, virtualização ou abordagem de rede intensiva em nuvem em que uma empresa se inscreve em um ou mais recursos de rede de um fornecedor de NaaS, em vez de criá-los por conta própria.
  • Isso pode abranger aluguel de hardware, serviços de conectividade, manutenção, consultoria, análise, etc.

Este artigo explica como o NaaS funciona, seus componentes e melhores práticas.

O que é NaaS?

Rede como serviço (NaaS) é um software, virtualização ou abordagem de rede intensiva em nuvem em que uma empresa se inscreve em um ou mais recursos de rede de um fornecedor de NaaS em vez de criá-los, o que pode abranger aluguel de hardware, serviços de conectividade, manutenção, consultoria, análises e muito mais.

Os principais provedores de NaaS incluem empresas de nuvem como Rackspace e Amazon, especialistas em rede como Cisco e provedores de serviços de telecomunicações como AT&T e Verizon.

Quando a maioria das empresas configurava sua arquitetura de rede, a internet não era vista como um local confiável para conduzir negócios. Portanto, eles criaram suas próprias encarnações proprietárias da internet e alugaram conexões para integrar suas instalações. Cada escritório precisava de seu próprio equipamento para criação de firewall, protocolos de segurança DDoS, balanceamento de carga, etc., o que ajudaria a suportar suas redes de longa distância (WANs).

Quando os indivíduos acessavam a internet (ao contrário da intranet), o tráfego tinha que passar pela rede da empresa por meio de uma rede privada virtual (VPN) antes de poder acessar a internet.

Conforme as operações de negócios migraram para a nuvem, essa abordagem rapidamente se tornou ineficiente. Gargalos de funcionários na rede segura impediriam a prestação de serviços.

Além disso, à medida que a computação em nuvem se tornava mais eficiente, recursos adicionais eram acessíveis por meio da nuvem. Atualmente, proteção DDoS, firewalls, balanceamento de carga e outras operações de rede cruciais podem ser executadas na nuvem, reduzindo a necessidade da equipe interna de TI desenvolver e executar esses serviços.

O NaaS é uma opção muito mais eficiente do que depender de WANs gerenciadas internamente, que precisam de manutenção contínua e geralmente causam gargalos no tráfego de rede.

Com o NaaS, os funcionários da empresa podem se conectar diretamente a seus serviços em nuvem por meio de uma rede virtual gerenciada e protegida por um fornecedor externo, em vez de equipes de TI internas tentando acompanhar a crescente demanda por serviços de rede.

Entendendo o significado de rede como serviço ou NaaS

NaaS é uma abordagem baseada em nuvem que permite aos usuários simplesmente executar a rede e obter os resultados desejados sem ter que possuir, desenvolver ou manter sua própria infraestrutura.

As organizações têm a liberdade de adquirir serviços com base no consumo e crescer à medida que seus requisitos de negócios evoluem. O NaaS também permite o monitoramento e gerenciamento de serviços de rede e o rastreamento de consumo e preços. Serviços sob demanda podem ser comprados, implementados e cogerenciados.

O modelo de rede convencional exige gastos de capital (CapEx) para redes físicas, incluindo switches, roteadores e licenças. A estratégia DIY IT requer esforço de planejamento e implantação e competência para implantar e operar equipamentos e garantir restrições de acesso de segurança.

NaaS é um conceito emergente para empresas utilizarem infraestrutura de rede com assinaturas de custo operacional flexível (OpEx), que incluem software, hardware, ferramentas de gerenciamento, licenciamento e soluções de ciclo de vida.

NaaS vs. SaaS vs. IaaS

Em muitos aspectos, o NaaS é o resultado inevitável da migração de décadas de processos de negócios para a nuvem. Hoje, toda a rede pode ser oferecida como um serviço em vez de apenas software, infraestrutura ou plataformas. Curiosamente, vários outros elementos podem ser oferecidos como serviço, incluindo software (SaaS) e infraestrutura (IaaS). Todos os três componentes provavelmente estarão presentes em um cenário empresarial moderno liderado pela nuvem.

Software como serviço (SaaS) é qualquer programa de software baseado em assinatura fornecido por meio da nuvem. O SaaS engloba vários aplicativos baseados na Internet usados ​​diariamente.

Infraestrutura como serviço (IaaS) é o consumo flexível ou uso baseado em assinatura de qualquer software de TI e componentes de infraestrutura de hardware na nuvem. Como SaaS, esta categoria pode abranger o amplo espectro de infraestrutura de TI, incluindo computação, armazenamento e redes.

Rede como serviço (NaaS) difere de SaaS e IaaS porque é muito mais específico e se refere diretamente aos recursos de rede.

Em contraste com SaaS e IaaS, refere-se exclusivamente a equipamentos de rede, software e serviços oferecidos de maneira “semelhante à nuvem”, implicando preços baseados em assinatura ou consumo. Ocasionalmente, a frase é expandida para abranger todas as operações diárias e a administração de um ambiente de rede por terceiros, como um fornecedor ou parceiro fornecedor.

Por que o NaaS é importante?

O NaaS é um passo importante na evolução da infraestrutura de TI e rede porque permite que as empresas:

  • Reduzir custos: quando as empresas combinam suas despesas com o consumo real, elas se beneficiam. Eles não são obrigados a pagar pelo excesso de capacidade não utilizada e podem expandir continuamente a capacidade à medida que a demanda aumenta.
  • Simplifique as atualizações: as empresas com sua própria infraestrutura devem executar atualizações oportunas, corrigir bugs e adicionar patches de segurança. Frequentemente, o pessoal de TI pode precisar viajar para vários locais para executar essas atualizações. O NaaS permite a distribuição regular de novas correções, capacidades e recursos.
  • Desbloqueie eficiências: automatiza várias operações, incluindo a integração de novos usuários, e oferece sincronização e personalização para eficiência ideal. Isso pode reduzir o tempo e os recursos gastos nessas atividades.
  • Dê suporte aos funcionários em qualquer lugar: os funcionários de hoje podem exigir conectividade de rede de qualquer lugar, incluindo escritórios e residências, e em qualquer dispositivo. O NaaS pode oferecer cobertura global, conexões de baixa latência facilitadas por uma rede principal de ponto de presença global e perda mínima de pacotes.
  • Melhorar a segurança: há uma sinergia mais estreita entre a rede e a segurança da rede devido ao NaaS. A maioria dos fornecedores oferece proteção local e baseada em nuvem em um único pacote.
  • Obtenha visibilidade: Além disso, os clientes podem ter a oportunidade de cogerenciar o NaaS. Com o tempo, o provedor de NaaS realiza gerenciamento de rede preventivo e análise do desempenho do aplicativo e dos componentes da infraestrutura.
  • Escale facilmente: inerentemente, o NaaS é mais escalável quando comparado às redes convencionais baseadas em hardware. Os usuários de NaaS simplesmente compram capacidade extra em vez de adquirir, instalar, configurar e proteger novos equipamentos.

Desafios do NaaS para estar ciente

Desenvolver compatibilidade de rede e padronização de portabilidade está entre os desafios do NaaS. Um cliente que compra um serviço NaaS, por exemplo, pode querer garantir que haja espaço para substituições ou fornecimento duplo. Nesse caso, a tecnologia deve ser interoperável com várias outras plataformas ou especificações.

É aqui que os projetos de código aberto, como OpenStack e interfaces de programação de aplicativos (APIs), são cruciais. Além disso, aderir aos padrões de Internet existentes do Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) é essencial. Metro Ethernet Forum (MEF) e TeleManagement Forum (TM Forum) são dois grupos que desenvolvem padrões e protocolos para soluções NaaS de operadoras.

A compatibilidade é outro desafio comum com o NaaS. A infraestrutura do provedor NaaS pode não ser interoperável com sistemas legados existentes, como hardware desatualizado e aplicativos locais. Aplicativos e procedimentos críticos ainda são hospedados no local em muitas empresas, não na nuvem. Isso torna a transição para um paradigma NaaS um pouco mais difícil.

Os fornecedores de NaaS estão apresentando ofertas de serviços gerenciados para ajudar com esses desafios, conforme discutiremos a seguir.

Componentes do NaaS

Uma oferta de NaaS incluirá quatro componentes principais que garantem sua implantação bem-sucedida:

1. Conectividade

O componente de conectividade se concentra em fornecer links de rede com largura de banda e qualidade de serviço (QoS) predefinidas. Ele permite que diferentes dispositivos, sistemas e redes na organização se comuniquem entre si por meio da transmissão de dados.

Esses dispositivos ou sistemas podem ser cabeados usando conexões de fibra ou sem fio, como em rede de área ampla definida por software (SD-WAN) ou 5G móvel. As organizações podem incentivar os funcionários, especialmente aqueles que trabalham remotamente, a acessar a rede apenas por meio de redes privadas virtuais (VPN) para manter suas redes protegidas contra-ataques.

A conectividade permite que as organizações acessem serviços de hardware virtual fornecidos por fornecedores de NaaS para realizar suas operações diárias sem problemas e atender às solicitações do consumidor. Este componente permite que as organizações acessem recursos como unidades de armazenamento para armazenar informações, firewalls para proteger informações confidenciais e switches ou roteadores para controlar o tráfego de rede.

2. Portal de autoatendimento

O portal de autoatendimento é um componente do NaaS que permite que as organizações se conectem e acessem seu ecossistema de funções de rede virtual (VNFs) quase em tempo real. Este portal possui uma interface amigável e pode ser acessado por meio de um navegador da Web ou aplicativos proprietários. Após estabelecer a conectividade, as organizações podem gerenciar facilmente sua rede e serviços de valor agregado (VAS) com um único clique por meio do portal NaaS e do mercado VNF integrado.

O portal de autoatendimento permite que as organizações definam as configurações do sistema, gerenciem o status e o desempenho da rede, solucionem e corrijam problemas. Isso lhes permite mais flexibilidade e eficiência ao modificar, adaptar e dimensionar suas redes para atender à demanda.

Além disso, esse portal permite que as organizações minimizem os custos operacionais automatizando tarefas rotineiras, como manutenção, provisionamento e monitoramento.

3. Mercado VAS e VNF

VAS e VNF são componentes do NaaS que permitem que as organizações acessem e comprem serviços de rede adicionais além da conectividade básica. Os serviços VAS aprimoram a funcionalidade e os recursos de uma rede. Exemplos desses serviços podem incluir redes locais (LANs) totalmente gerenciadas, medidas de segurança como firewalls, voz sobre IP (VoIP) ou redes virtuais móveis (MVN).

O mercado VNF oferece às organizações um portal fácil de usar e de acesso, onde podem comprar VAS. Normalmente, esses VAS são compostos de VNFs. O mercado VNF oferece às organizações várias opções de escolha ao decidir comprar funções de rede adicionais, como roteadores, firewalls e balanceadores de carga, sem investir em mais hardware. Portanto, permite que eles aumentem ou diminuam suas operações para atender à demanda facilmente.

Além disso, esse mercado pode se integrar facilmente a aplicativos como gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM), configuração de cotação de preços (CPQ), cobrança e sistemas de inventário de rede para fornecer entrega contínua de serviços.

4. Serviços de rede gerenciados

Os serviços de rede gerenciados referem-se às atividades de rede que as empresas terceirizam para um provedor de serviços gerenciados (MSP), que também é o provedor de NaaS neste caso. Ao longo das etapas de realocação e instalação, esses serviços permitem que as equipes de TI atuais das organizações se concentrem em outras tarefas. Isso melhora a eficiência operacional, pois o fornecedor de NaaS pode monitorar e solucionar problemas de serviços específicos.

As operações de NaaS variam de acesso simples à rede a serviços de rede virtual. O provedor de NaaS também pode oferecer serviços gerenciados para otimização de WAN, comunicações unificadas, gerenciamento de rede, instalações de cabo e monitoramento de rede.

Práticas recomendadas de NaaS

As organizações que procuram implementar soluções NaaS devem seguir as sete práticas recomendadas a seguir para maximizar e manter a eficácia dessas soluções enquanto protegem seus ativos. Lembre-se de que você precisa aplicar esses esforços consistentemente para garantir seu sucesso.

As implementações de NaaS também devem ser monitoradas regularmente para medir sua eficácia e, quando necessário, ajustadas para acompanhar os padrões do setor.

Vamos agora discutir essas melhores práticas em detalhes:

1. Desenvolva uma estratégia de rede abrangente

A implementação do NaaS nas organizações é um grande passo que requer um planejamento cuidadoso e estratégico. Tomar decisões informadas é fundamental para manter os níveis de desempenho desejados. É por isso que os usuários devem entender claramente sua topologia de rede antes de implementar o NaaS. Eles devem entender os objetivos de sua organização e como a infraestrutura de rede ajuda a alcançá-los.

A equipe de TI deve realizar uma auditoria para se familiarizar com os componentes, layouts e limitações do NaaS. Eles devem entender várias configurações do sistema e identificar as medidas de segurança implementadas. A TI deve, então, descrever o nível esperado de desempenho, interação e disponibilidade que as soluções NaaS trarão para a organização.

2. Revise e implemente regularmente uma estrutura robusta de segurança de rede

A segurança da rede é um componente vital do NaaS. Uma estrutura de rede forte inclui políticas, processos e práticas que garantem que a rede esteja protegida contra vulnerabilidades e evite o acesso não autorizado. Isso ajudará as organizações que empregam NaaS a lidar com ameaças cibernéticas.

Elementos de segurança de rede, como firewalls, sistemas de detecção e prevenção de intrusão e protocolos de criptografia, devem ser monitorados regularmente pelos gerentes de rede e atualizados para acompanhar as melhores medidas de segurança do setor.

No entanto, simplesmente atualizar os protocolos de rede não é suficiente se essas políticas e procedimentos não forem claramente comunicados à equipe de TI da organização e aos usuários finais, quando aplicável. Por exemplo, configurar criptografias de rede é ineficaz se a equipe não for informada sobre a importância de manter suas senhas privadas. Portanto, as organizações devem manter uma linha clara de comunicação com o fornecedor de NaaS em relação à segurança cibernética.

Eles também devem educar sua equipe e publicar documentos de referência para componentes NaaS para manter todos informados para proteger dados confidenciais contra acesso não autorizado. Além disso, esses documentos de referência podem ser usados ​​como um guia que pode ser reexaminado para atualizar os procedimentos de segurança quando necessário.

3. Monitore o desempenho e a disponibilidade da rede

Os fornecedores de NaaS permitem que as organizações usem seu hardware enquanto o fornecedor o opera e mantém. Nesse cenário, o fornecedor deve monitorar o desempenho para detectar e resolver problemas antes que ocorra uma escassez.

As organizações que alugam hardware de fornecedores de NaaS, mantendo o poder de mantê-lo e operá-lo (ou seja, sem serviços gerenciados), devem garantir que tenham pessoal treinado para monitorar seu desempenho. Isso resulta em interrupções mínimas de aplicativos críticos para os negócios, portanto, aprimora a QoS.

As organizações também podem monitorar o desempenho e a disponibilidade da rede usando um painel baseado em nuvem. Essa prática permitirá que eles detectem e resolvam problemas antes que afetem os usuários finais.

4. Faça backup dos dados e crie um plano de recuperação de desastres

Desastres como incêndios, falta de energia, inundações ou violações de segurança podem ocorrer a qualquer momento. A melhor prática de criar um plano robusto de recuperação de desastres pode significar a diferença entre um pequeno contratempo e uma grande catástrofe. Seu plano de recuperação de desastre NaaS deve incluir backup de dados de rede, desenvolvimento de procedimentos de evacuação, restauração de acesso a aplicativos de negócios críticos e fornecimento de rotas de conectividade secundárias.

Da mesma forma, à medida que a indústria de tecnologia cresce, também cresce o número de criminosos cibernéticos, portanto, os crimes cibernéticos aumentam. É simplesmente um caso de “quando” e não “se” antes que as organizações enfrentem uma vulnerabilidade de segurança. Portanto, é uma prática recomendada que todas as organizações que usam NaaS mantenham um backup de seus dados operacionais e confidenciais para combater ataques de ransomware.

Também é uma boa ideia criar um sistema de failover para os usuários poderem acessar seus aplicativos o tempo todo com o mínimo de tempo de inatividade.

5. Treine a equipe e os usuários finais

A implementação do NaaS nas organizações requer uma abordagem unificada para garantir seu sucesso. Isso significa que todos os membros da equipe, mesmo aqueles que precisam de ajuda para entender os conceitos técnicos, devem ser treinados.

As organizações devem educar as equipes de TI e os usuários finais para familiarizá-los com uma compreensão básica das soluções NaaS, incluindo o tipo de serviço que recebem do fornecedor. Eles devem saber como acessar várias unidades de armazenamento de fornecedores, servidores e outros componentes de hardware de rede.

Além disso, as organizações devem educar a equipe e os usuários finais sobre protocolos, procedimentos e políticas corporativas de segurança para garantir que não sucumbam às ameaças à segurança. Por exemplo, eles devem estar cientes de vários ataques de phishing que os invasores cibernéticos usam para invadir seus sistemas. Essa educação deve ser um esforço contínuo, pois as ameaças à segurança continuam evoluindo.

Lembre-se, mesmo que o fornecedor de NaaS assuma a responsabilidade pela segurança e pelas operações, algumas cargas de trabalho e responsabilidades sempre serão da equipe interna e da força de trabalho da organização. É por isso que o treinamento e a educação contínua são cruciais.

6. Procure continuamente oportunidades de otimização e crescimento

Outra prática recomendada de NaaS útil é melhorar continuamente as medidas, políticas e procedimentos existentes na organização por meio de reconfigurações rápidas baseadas em nuvem.

Os administradores podem organizar reuniões trimestrais entre diferentes departamentos para discutir vários procedimentos. Durante essas reuniões, eles podem reexaminar vários componentes da implementação do NaaS e como ele se integra à organização e otimiza quando necessário. Por exemplo, eles podem revisar como os departamentos resolvem problemas comuns, como desempenho lento da rede, brainstorm e otimização.

Da mesma forma, as organizações podem procurar atualizar os componentes de infraestrutura existentes, como computadores ou CPUs, que contribuem para diminuir o desempenho do NaaS.

Além disso, os administradores de TI devem estar sempre atualizados com os melhores padrões do setor. Eles devem garantir que usam apenas o equipamento recomendado do fornecedor de NaaS e aplicam as melhores práticas de segurança, como atualizar seu firmware e software.

7. Automatize tarefas de rede

Automatizar tarefas de rede é essencial para organizações que implementam NaaS. Eles devem se esforçar para automatizar as tarefas de monitoramento usando análises de rede e ferramentas de relatórios. Essas ferramentas monitoram automaticamente o uso da rede e da CPU para detectar problemas antecipadamente e enviar relatórios ao departamento certo.

Além disso, automatizar os procedimentos de recuperação de desastres permite que os aplicativos continuem funcionando conforme o esperado nos casos em que ocorrem quedas de energia. As organizações também podem automatizar tarefas de provisionamento e manutenção para melhorar a produtividade. Você pode trabalhar com seu fornecedor de NaaS para delinear um roteiro de automação de rede de ponta a ponta.

Idealmente, o fornecedor fornecerá chatbots e portais de autoatendimento que você pode usar para resolver problemas comuns. Essa prática permite que as organizações minimizem os custos operacionais, economizando horas de trabalho, melhorando a produtividade no local de trabalho e melhorando a experiência do usuário final.

Conclusão

A rede como serviço, ou NaaS, está rapidamente se tornando a opção preferencial para empresas que planejam a transformação digital. A IDC relata que isso ocorre devido a ciclos de planejamento mais curtos e preocupações com o gerenciamento de rede (pesquisa de 2022). De fato, as empresas podem esperar mover pelo menos 50% de sua infraestrutura para NaaS nos próximos trimestres devido ao alto custo, esforço e vantagens de valor agregado. Os fornecedores também devem considerar o fortalecimento de seus recursos de NaaS (e nuvem) para se manterem competitivos no mercado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.