Como o banco como serviço está passando pela reinvenção do modelo de negócios?

Como o banco como serviço está evoluindo? Descobriremos neste post.

2023 é o ano da inovação do modelo de negócios no setor bancário. Os bancos estão adotando novos modelos para atender às necessidades do cliente e aumentar o envolvimento do cliente por meio de evoluções no banco como serviço, mercado e serviços públicos.

Em uma pesquisa do final de 2022 abrangendo mais de 4.400 CEOs em 105 países, 40% do total de entrevistados e uma parcela idêntica daqueles que representam bancos e mercados de capitais, disseram que, em sua forma atual, seus negócios não seriam economicamente viáveis ​​daqui a dez anos. Essas descobertas reafirmam o que já sabemos que o modelo de negócios bancário tradicional não pode se sustentar em um ambiente onde tantas coisas estão mudando tão rapidamente ao mesmo tempo. Uma validação adicional vem do fato de que modelos digitais novos e inovadores estão ficando cada vez mais fortes.

Então, o tempo para ajustes já passou. Agora, os bancos devem tomar medidas decisivas para reinventar seus negócios, adotando modelos de negócios emergentes, como serviços bancários como serviço (BaaS) e finanças, mercados e serviços públicos incorporados.

Vitórias ao redor?

Banking-as-a-service é um modelo no qual um banco licenciado oferece processos bancários completos por meio de APIs para provedores financeiros não licenciados ou empresas não financeiras para integração nas jornadas de seus clientes.

O Goldman Sachs é um conhecido expoente desse modelo, com APIs para contas bancárias, pagamentos e outros serviços. Aproveitando a infraestrutura do Goldman Sachs, os desenvolvedores podem criar novas experiências bancárias em seus aplicativos front-end.

Estes são os primeiros dias para o BaaS, mas ele já promete retornos sólidos para instituições financeiras que fazem parcerias bem-sucedidas com marcas com profundo entendimento e envolvimento do cliente. Isso ajudou os bancos a permanecerem relevantes em uma época em que os avanços tecnológicos ameaçam deixá-los para trás em inovação. A lista de empresas que incorporam serviços bancários e outros serviços financeiros em suas jornadas de clientes inclui líderes globais como Apple, Amazon e Uber.

A beleza deste modelo é que ele cria vitórias para todos. Para os clientes, oferece serviços bancários sem atrito, fácil acesso a uma ampla gama de soluções financeiras e custos bancários potencialmente mais baixos. Para os bancos, além de introduzir novos fluxos de receita, o BaaS ajuda a aprimorar vários aspectos, desde a eficiência operacional até soluções digitais inovadoras, tudo sem exigir que os bancos desenvolvam a tecnologia internamente. Por fim, para as fintechs, o Baas permite uma rápida expansão dos serviços sem investimentos pesados.

As coisas estão melhorando para finanças incorporadas, que totalizaram US$ 20 bilhões em receitas nos Estados Unidos em 2021 e pode dobrar isso nos próximos anos.

As melhores ofertas

O modelo de mercado está ganhando força à medida que vários bancos criam mercados vendendo uma variedade de ofertas financeiras e não financeiras sob o mesmo teto. Os marketplaces agregam uma variedade de ofertas de terceiros para os clientes escolherem os melhores produtos e serviços financeiros e não financeiros para suas necessidades em um ambiente aberto.

O modelo bancário de mercado pode ser comparado a um mercado online, como Amazon ou eBay. Assim como esses marketplaces reúnem diferentes vendedores e seus produtos sob o mesmo teto, os marketplaces bancários reúnem diferentes provedores/fornecedores financeiros e seus produtos e soluções em uma única plataforma unificada.

Para ter sucesso total com esse modelo e agregar valor nas jornadas primárias, os bancos convencionais devem construir um perfil de 360 ​​graus de cada cliente. Eles também devem decidir entre construir suas próprias plataformas e realizar parcerias com agregadores para criação e distribuição de produtos. Os bancos também podem optar por oferecer seus próprios produtos e serviços financeiros em plataformas bancárias de mercado existentes ou adquirir essas próprias plataformas.

A vantagem de abraçar o marketplace e outros modelos inovadores é significativa, com a possibilidade de aumentar as receitas em meio trilhão de dólares até 2025. Independentemente da abordagem dos bancos para adotar esse modelo de negócios, eles devem garantir que suas plataformas de marketplace banking sejam construídas com o cliente em mente.

Colaborando para a Eficiência

Vários bancos estão se unindo para construir serviços públicos que forneçam serviços não diferenciados com mais eficiência. Os utilitários fornecem infraestrutura de produção, padrões e ativos de dados essenciais e também garantem que os participantes do ecossistema trabalhem de maneira coordenada para alcançar um resultado comum. Algumas concessionárias também organizam serviços de terceiros para o benefício dos usuários de sua infraestrutura: Shopify fornece uma infraestrutura de construção de loja online para comerciantes e também integra provedores de logística terceirizados por meio de sua rede de atendimento.

Aja agora

Os bancos americanos demoram a adotar novos modelos de negócios. Embora essa hesitação possa ser causada por vários motivos, desde o ambiente regulatório desafiador, sistemas e infraestrutura legados ou aversão ao risco, os bancos não podem se dar ao luxo de se conter e ir devagar por mais tempo.

O banco digital decolou durante a pandemia como resposta a crises nunca vistas e à impossibilidade de fazer negócios pessoalmente. No entanto, o que foi criado inicialmente como uma espécie de band-aid durante uma emergência, rapidamente se tornou a nova norma. Graças à crescente demanda dos clientes, o banco digital continua avançando, com cada vez mais clientes da geração do milênio e da GenZ preferindo fazer negócios totalmente online por meio de aplicativos bancários. O crescimento sustentado dos pagamentos instantâneos baseados em UPI na Índia, mesmo após o recuo da pandemia, é um exemplo.

À medida que o setor bancário continua a evoluir, com novas fintechs e outros disruptores entrando no mercado, será cada vez mais importante que os bancos sejam rápidos e ágeis na adoção de novos modelos de negócios para se manterem competitivos e atenderem às necessidades de seus clientes.

Novos modelos de negócios bancários não estão sendo impulsionados apenas pela demanda do consumidor, mas também pelo impulso governamental, na forma de PSD2 na Europa, Open Banking no Reino Unido, UPI na Índia e, mais recentemente, FedNow nos EUA. Serviço de pagamentos para conectar provedores de serviços financeiros com consumidores, o Federal Reserve Bank dos EUA está fornecendo uma base para novos modelos bancários, que os bancos americanos devem capitalizar em 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.