A Lei de Serviços Digitais da UE entra em ação, grandes tecnologias são forçadas a se adaptar

As principais plataformas online poderão ter de pagar milhares de milhões de euros em multas por incumprimento.

As empresas de tecnologia que operam em toda a União Europeia, enfrentam agora uma das maiores mudanças, com a entrada em vigor de uma nova lei sobre regulamentação centrada na tecnologia.

A nova lei visa proteger os utilizadores da Internet contra a desinformação e o discurso de ódio, ao mesmo tempo que cumpre os requisitos de liberdade de expressão e privacidade.

As empresas tecnológicas que operam em toda a UE, terão agora de enfrentar um novo e rigoroso conjunto de regulamentos que visam policiar os conteúdos online. Com a Lei dos Serviços Digitais, governos de 27 países esperam colocar as empresas de tecnologia sob controle. A nova lei obrigará as empresas tecnológicas a assumir um papel muito ativo na vigilância dos conteúdos digitais e na identificação e remoção do discurso de ódio e da desinformação. Além disso, a lei proíbe o uso de anúncios direcionados a públicos vulneráveis.

As empresas que não cumprirem as novas regras podem enfrentar pesadas multas. Pode-se esperar que a lei impulsione mudanças, mesmo fora da UE, num futuro próximo. Ao abrigo da nova lei, qualquer plataforma com mais de 45 milhões de utilizadores mensais terá de trabalhar ativamente para combater a desinformação e estar sujeita a verificações rigorosas.

Consequentemente, grandes players como YouTube, X (antigo Twitter), Google, Bing, TikTok, Instagram, LinkedIn e outros terão que mudar como operam. As empresas com seguidores menores terão requisitos menos rigorosos e mais seis meses para cumprir.

As plataformas TikTok e Meta já anunciaram suas intenções de cumprir, dando aos usuários de suas plataformas mais opções em termos de visualização de conteúdo e a opção de cancelar o conteúdo recomendado que essas plataformas fornecem com base no perfil do público. O Google também afirmou que implementou políticas para melhorar a responsabilidade e a transparência.

Espera-se que a maioria das plataformas crie novas formas para os utilizadores denunciarem conteúdos ilegais, que serão então imediatamente retirados por equipas de moderadores e especialistas jurídicos. Esta não é a primeira lei importante estabelecida pela UE. Além do GDPR em 2018, a UE também elaborou uma lei para lidar com a inteligência artificial em junho de 2023.

O não cumprimento pode levar a penalidades significativas

A importância da lei para as empresas pode ser aferida através das penalidades por descumprimento, que são significativas. As violações podem resultar em multas pesadas, equivalentes a até seis por cento da receita global da organização, o que pode ser um golpe significativo para qualquer empresa. Alguns casos podem até banir a plataforma na região.

X é um dos principais players do setor que provavelmente estará sob escrutínio nos próximos tempos, com algumas das decisões de Elon Musk gerando preocupações em termos de compliance.

Embora o âmbito da mudança deste regulamento seja muito grande, nem tudo é um mar de rosas, uma vez que as empresas retalhistas Zalando e Amazon já levantaram desafios legais sobre as suas plataformas caírem no âmbito da nova lei. Funcionários da UE confirmaram que as organizações terão de seguir a nova lei, apesar dos desafios legais.

Além disso, as empresas tecnológicas terão de cumprir a nova Lei dos Mercados Digitais, que entrará em vigor em setembro. A nova lei impedirá que as empresas direcionem os usuários para seus produtos e interromperá o controle sobre a pré-instalação de aplicativos em smartphones. A lei também penalizará até 10% das receitas globais por violações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.